Planejamento Financeiro para pequenas empresas: 5 dicas para ser mais eficiente

Pensando em aplicar o planejamento financeiro para pequenas empresas? Essa é uma decisão estratégica que vai potencializar os resultados da sua loja de construção civil! Diante da quantidade de entradas e saídas que ocorrem todos os dias em seu varejo, organizar o caixa e manter os dados financeiros em constante atualização se torna uma necessidade.

Muitos gestores ainda negligenciam essa tarefa, mantendo, no máximo, o velho “caderninho de contas”. Com todas as ferramentas tecnológicas disponíveis no mercado, esse tipo de prática analógica não se justifica mais.

Para ter sucesso em seu planejamento financeiro, é preciso se abrir a novas possibilidades e tomar algumas medidas para reduzir os gargalos ao longo do processo. O primeiro passo é realizar um profundo diagnóstico da atual situação de suas finanças.

Não deixe de definir objetivos — o que você pretende alcançar com o seu negócio? Para concluir todas elas, confira nossas dicas de como realizar um bom diagnóstico de sua empresa e otimizar o planejamento financeiro. Acompanhe!

O que é planejamento financeiro para pequenas empresas?

Quando falamos em planejamento financeiro, nos referimos à gestão das finanças empresariais, criando uma espécie de proteção das necessidades básicas do negócio. Além de possibilitar que a empresa continue operando, planejar as finanças permite alcançar objetivos e realizá-los a curto, médio ou longo prazo.

O planejamento financeiro para pequenas empresas depende principalmente de disciplina e organização. O zelo por essas ações objetivas focadas em realizar as metas da marca é o que leva seu varejo ao sucesso.

Não basta ter grandes ideias se sua empresa não pode colocá-las em prática. O planejamento das finanças é justamente o que possibilitará que suas ações estratégicas possam operar dentro das expectativas.

Mas não basta colocar a organização financeira em prática e não fazer um acompanhamento constante! Uma vez que o planejamento é iniciado, é importante sempre atualizá-lo. É de olho no longo prazo que o processo deve ser feito. Tudo começa com o diagnóstico da atual situação e a definição dos objetivos da empresa.

Onde sua marca pretende estar nos próximos 5 anos? Na próxima década? Ou daqui a 20 anos? Para atingir seus objetivos e chegar onde quer dentro dessas faixas temporais, o planejamento financeiro é o primeiro passo.

Muitos empreendedores negligenciam essa tarefa, mas pensar em suas perspectivas para o futuro é a base para começar a se organizar. Cuidar das finanças é o caminho para chegar de fato onde se almeja.

Quando fazer o planejamento financeiro?

Quando o gestor organiza as finanças, é mais fácil alcançar seus objetivos. Não deixe de reservar um tempo todos os dias para anotar suas ideias, definir os objetivos e começar seu planejamento.

Se você não traçar um plano consciente das condições financeiras da sua empresa e começar a aplicá-lo, é provável que suas metas empresariais sejam prejudicadas — e nunca alcançadas.

Toda companhia está em direção a algum destino. Um negócio em funcionamento precisa sempre pensar o que almeja alcançar. Todas essas marcas que ambicionam conquistar seu espaço no mercado devem fazer o planejamento.

Organizar o departamento financeiro é uma necessidade para qualquer empreendedor, independentemente do porte da empresa. Das micro e pequenas empresas às grandes corporações, é preciso manter as contas pagas e o dinheiro destinado às tarefas de cunho estratégico que elevarão o potencial competitivo da marca.

Como fazer o planejamento financeiro? 5 dicas imbatíveis!

Percebendo a importância de realizar o planejamento financeiro para pequenas empresas, separamos as melhores dicas para iniciar o processo em seu varejo.

1. Separe as despesas da empresa das pessoais

Alguns dos gestores deixam para pensar no planejamento quando o ano se inicia. Essa já é uma boa premissa, já que o início do ano é o momento em que as contas se acumulam: é preciso, então, planejar.

O ideal, porém, é começar essa organização antes da maioria. Assim, quando o início do ano chegar e junto deles as contas a pagar, você já estará preparado.

O começo de um novo ano é também quando acumulam as dívidas pessoais. Tome cuidado, não apenas nesse período, mas durante todo o processo de gestão, para não misturar suas contas pessoais com as despesas empresariais.

Prefira utilizar contas bancárias separadas para a empresa e para as contas próprias, diminuindo o risco de misturar essas duas realidades.

2. Administre o capital de giro

O planejamento começa com o orçamento anual e o controle do capital de giro. Você já realizou o seu? Comece estimando o quanto sua empresa vai receber pelas vendas e o quanto será gasto para manter o seu varejo em funcionamento — tome como base o seu histórico dos anos anteriores. Em seguida, estime precisamente seu capital de giro e como ele será aplicado.

Preocupe-se sempre em ser realista e dê preferência em analisar seus ganhos sob uma perspectiva pessimista. Afinal, tocar um negócio é se cercar de incertezas. Não corra o risco de fazer uma estimativa de lucro extremamente otimista e, depois, se decepcionar quando elas não forem atingidas.

3. Acompanhe o fluxo de caixa

Ainda que você opte por não trabalhar em companhia de um consultor financeiro, algumas medidas ajudam a não cair nos erros de gestão.

Uma atitude importante é desenvolver um método de registro de suas contas, em que sejam inseridas as pendências que precisam ser pagas e o montante que a empresa vai receber. Mas não se engane pensando que apenas registrar as contas é o suficiente!

Para ter controle completo das finanças, o gestor deve monitorar cada transação, avaliando como as entradas e saídas de recursos vão interferir em seus planos de ação.

4. Conte com a ajuda de um consultor

Principalmente quando o gestor não tem experiência na gestão de suas finanças, a atividade pode se tornar uma dor de cabeça. Mas mesmo os empreendedores experientes podem se confundir na hora de controlar o fluxo de caixa, o capital de giro, as contas a quitar e outros compromissos financeiros. Por isso, vale contar com a ajuda de um profissional.

Se os processos estão confusos em seu varejo, é interessante contar com a ajuda de um consultor experiente no planejamento financeiro para pequenas empresas.

O profissional contratado vai orientar o gestor sobre suas finanças, levando em consideração as características do negócio, o que ajuda a montar planos de investimento certeiros.

5. Crie uma reserva de emergência — e gaste só o necessário

Mesmo as menores despesas, que podem parecer desimportantes na hora de traçar seu planejamento, devem ser consideradas. Não subestime nenhum gasto, ou você pode se surpreender ao fim do mês! Pequenas contas acumuladas podem gerar um rombo significativo no orçamento.

Preocupe-se em montar um fundo de emergência, uma quantia de dinheiro que será destinada a cobrir possíveis gastos imprevistos no futuro. É essencial contar com esse respaldo diante das incertezas do mercado.

O planejamento financeiro para pequenas empresas permite que os sonhos do empreendedor sejam realizados e sua marca conquiste o espaço que merece no mercado. Não deixe esse processo para depois!

Gostou das nossas dicas? Já aplicou a gestão das finanças em seu varejo? Conte pra nós nos comentários!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *