Lucro real e lucro presumido: entenda as diferenças

lucro real lucro presumido

Para os empresários que não podem optar pelo Simples, sempre haverá a dúvida de qual regime tributário seguir: o lucro real ou lucro presumido. Afinal, embora sejam termos bastante falados por contadores, nem sempre é fácil lembrar as características de cada um e em qual situação são mais vantajosos.

É certo que na maioria dos casos, os próprios contadores vão definir qual é mais adequado para cada empresa. Esse é o caminho mais seguro, já que esses profissionais são especialistas no assunto, treinados para evitar erros. Porém, conhecer as características dos dois regimes pode orientar os proprietários sobre quanto será pago de imposto durante o período.

Por isso, neste texto, vamos explicar de uma forma bastante simples e fácil de gravar as características de cada um desses regimes e qual é mais vantajosa para cada empresa. Confira!

Regras gerais dos regimes tributários

Antes de começar a explicar as características de cada regime, é importante dizer que é obrigatória a adoção do lucro real ou presumido para as empresas com faturamento maior que R$ 4,8 milhões ao ano, sem ultrapassar o teto do lucro presumido, de R$ 78 milhões por ano.

Abaixo dos R$ 4,8 milhões, a empresa também pode usar esses regimes tributários se preferir. Porém, aderir ao Simples Nacional costuma sair mais barato, caso a área de atuação do negócio permita que ele seja tributado dessa forma.

É bastante importante verificar as atividades permitidas e regras de cada regime, pois elas podem ser limitantes. Por exemplo, empresas que atuam na área financeira não podem ter os impostos calculados pelo lucro presumido.

Negócios com sócios estrangeiros ou que sejam pessoas jurídicas não podem ser optantes pelo Simples, entre outros. Saber estas informações de antemão ajuda a evitar perda de tempo com cálculos desnecessários. Se no seu caso é necessário optar entre Real e Presumido, saiba mais sobre cada um dos regimes a seguir.

Conheça o Lucro Presumido

Se a sua empresa busca praticidade e possui uma alta taxa de lucro, o regime presumido é um bom negócio. Ele funciona como uma forma simplificada de tributação, em que o Imposto de Renda e Contribuição Social não são calculados em cima do que a empresa lucra de fato, mas sim de um valor pré-determinado pelo Fisco.

Em outras palavras, o governo vai cobrar uma taxa em cima do quanto ele acha que a sua empresa lucra. Essa taxa é prefixada e quase sempre é de 8% para atividades comerciais e 32% para negócios que atuam com prestação de serviços. Caso a empresa tenha um lucro menor do que o esperado ou até mesmo prejuízo, terá que recolher os impostos mesmo assim.

Outra peculiaridade do lucro presumido é que ele não permite recolher créditos tributários do PIS e COFINS, pois nesta modalidade tributária esses impostos são cumulativos. As alíquotas pagas para esses impostos no Lucro Presumido são de 0,5 e 3%, respectivamente.

Saiba mais sobre o Lucro Real

O regime de lucro real é o único existente que pode ser escolhido por qualquer empresa. Nele, a apuração do valor a ser pago é feito pelo resultado da empresa, podendo ser recolhido anual ou trimestralmente.

Para isso, a empresa será obrigada a enviar as obrigações acessórias — ou seja, os demonstrativos contábeis — para a Receita Federal comprovando os resultados obtidos no período.

A alíquota do Imposto de Renda varia entre 15 e 25% e a do CSLL é de 9% sobre o valor do lucro no período. Por isso, se a empresa tiver prejuízo, ela não terá que pagar o imposto e ainda pode receber créditos tributários, caso já tenha recolhido impostos.

Outro ponto importante desta modalidade é que PIS e COFINS não são cumulativos. Isso quer dizer que as empresas podem descontar os créditos já pagos desses impostos em algumas situações. As alíquotas são de 1,65% e 1,6%, respectivamente.

As situações que permitem a dedução de crédito dos impostos são os de compras de insumos de produção ou prestação de serviços, compras de produtos, parcelas de leasing, depreciação de equipamentos, entre outros.

O melhor regime tributário

Embora possa parecer simples, descobrir se é melhor ser tributado pelo lucro real ou lucro presumido é uma decisão que requer muitas contas e reflexão. Cada empresa é única, e a situação em que ela se insere pode ser determinante na melhor escolha.

De forma geral, o lucro presumido é uma escolha melhor para os negócios que possuem poucos custos, especialmente com folha de pagamento. Outro fator determinante é a lucratividade, que precisa ter uma taxa mais alta do que a sugerida para o setor de atuação da empresa.

Quem opta pelo lucro presumido não precisa enviar os demonstrativos contábeis para a Receita. Por isso, este regime também deve ser considerado pelos negócios que não têm uma equipe contábil própria, pois apesar de terem que manter os registros contábeis, não serão obrigados a prestar contas para a Receita periodicamente.

O lucro real, por sua vez, é uma boa opção para empresas que tem uma lucratividade baixa e muitos impostos que geram créditos tributários. Nestes casos, é possível economizar significativamente com o pagamento de impostos ao escolher este regime. Além disso, no caso de prejuízo, é possível compensar no mesmo exercício ou nos próximos anos fiscais.

Um ponto forte a ser citado é que não há limite de apuração de lucro pelo regime de lucro real. Por isso, a empresa não precisa se preocupar em ultrapassar o faturamento e mudar de tributação sem o devido planejamento.

A obrigação de fazer os demonstrativos contábeis também pode ser citada como um benefício, pois estes documentos ajudam a ter mais controle das finanças do negócio. Com isso, é mais fácil manter a estabilidade econômica e fazer a empresa crescer.

Independentemente do regime tributário, deve ficar claro que quanto mais você conhecer a sua empresa, mais assertiva será a sua escolha. Por isso, vale a pena conversar com o contador e observar os números com cuidado antes de bater o martelo em sua escolha.

O lado bom é que, caso fique claro que o regime escolhido não é o mais adequado durante o período tributário, é possível mudar no início do período seguinte. Assim, o prejuízo com impostos pagos desnecessariamente é menor.

Depois de escolher entre lucro real e lucro presumido, que tal saber mais sobre o fluxo de caixa e como ele pode ajudar a sua empresa? Saiba mais sobre o assunto neste texto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *