Loja de material de construção: o guia completo de como gerir bem uma!

O mercado da construção civil mantém-se em alta, apesar da retração econômica pela qual passamos. Ainda que os grandes empreendimentos não sejam os mais atuantes, é visível que reformas e construções residenciais continuam a todo vapor. Foi pensando nisso que resolvemos montar um guia para você que quer investir nesse ramo. Antes de entrar, convém saber que é um espaço bastante concorrido, mas promissor.

Os desafios podem ser vencidos se você souber como criar uma loja de material de construção, cuidando muito bem da localização e da clientela. Além disso, a organização da loja deverá sem muito bem planejada. Será preciso cuidar da disposição dos produtos no interior do estabelecimento e do bom atendimento. Por fim, para que o sucesso esteja do seu lado, a escolha de bons fornecedores é muito importante.

Neste post, vamos apresentar um guia completo de como montar, organizar, gerir e escolher fornecedores para a sua loja de material de construção. Boa leitura!

Como montar uma loja de material de construção?

As empresas, cada vez mais, exigem inovação para sobreviver ao dinamismo do mercado globalizado. No setor da construção civil não é diferente. Há uma imensa cadeia produtiva e uma infinidade de varejistas que fornecem os mais variados produtos. De acordo com a Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), são quase 140 mil lojas de material de construção no Brasil, a maior parte delas no mercado há mais de 10 anos. Para que a sua loja não seja só mais uma, é importante conhecer algumas informações relevantes na hora de montar o seu negócio.

Objetivos

Montar uma loja é como fazer uma pesquisa. Primeiro se estabelece quais são os objetivos gerais e depois os específicos. Por objetivo geral, podemos imaginar que você pretende fornecer materiais de construção. Para guiá-lo na consecução desse objetivo, deve-se ter a resposta para as seguintes perguntas.

  • Especificamente, como serão esses materiais?

  • De que tipo?

  • Para quem vendê-los?

  • Quanto você pretende investir?

  • Quanto espera de retorno?

Uma empresa visa sempre o lucro, que deve ser obtido sem desrespeitar princípios éticos comuns à sociedade. Tratar bem o meio ambiente, colaboradores e clientes são boas práticas que uma empresa séria deve sempre almejar. Além disso, o dono do empreendimento deve pensá-lo como um todo: nenhuma empresa existe por si só, pois precisa da colaboração de muitas pessoas.

Também deve ser definida qual é a missão da empresa. Por missão, entende-se a razão de ser de sua empresa, o porquê dela existir no mercado. Além disso, a empresa precisa ter uma visão que é o modo como ela se posiciona perante clientes e fornecedores e quais são as expectativas de futuro.

Localização

Antes de montar a sua loja, faça uma pesquisa para saber onde ela deverá ser instalada. Nessa pesquisa, informe-se sobre como obter a permissão para funcionamento naquele determinado bairro ou rua. Além disso, busque saber quais são seus concorrentes e seu público-alvo mais próximos.

As lojas de bairros podem ser uma boa solução para quem está começando no âmbito da comercialização de materiais de construção. Isso se explica porque o consumidor procura algo que esteja próximo à sua residência. Nesse caso, considere montar sua loja em bairros novos que estão em processo de crescimento. Nesses locais são requeridos muitos materiais para construção das moradias.

Para que seu negócio receba um fluxo grande de pessoas, ele precisa estar localizado em uma área de fácil acesso. Avenidas largas são melhores que as ruas estreitas. Afinal, para receber e despachar produtos, você necessita de um bom espaço.

Além disso, a bem da fidelização da clientela, é recomendável que a loja conte com espaço amplo e estacionamento para os clientes. Ninguém vai querer parar em um lugar que não permite fazer suas compras em segurança, não é mesmo?

Clientes

Quem você pretende atender? Para saber a resposta, convém pensar no tamanho da loja e na localização. É preciso pensar numa forma de atender e fidelizar seus clientes. Pense que um cliente satisfeito pode atrair até 10 novos clientes e um cliente insatisfeito pode afastar até 10 novos possíveis clientes.

Algumas estratégias, como o depósito de crédito do cliente, podem ser adotadas. Assim, o cliente repassa um valor inicial a sua loja, que será gasto ao longo da execução da obra. Isso ocorre porque nem sempre o dono da reforma tem a disponibilidade de ir até a loja para fazer a retirada de produtos. A sua loja será a responsável pela gestão do crédito.

Outra questão a ser pensada: como será feito o pagamento por parte dos clientes? Aceitar uma gama ampla de formas de pagamento é atrativo para os clientes. Assim, estude adotar o recebimento por meio de cartões de crédito. Mas fique atento quanto à inadimplência, se você for optar pelo crédito pessoal.

Colaboradores

Escolher bem o seu plantel de funcionários é essencial para o êxito da empresa. Uma pequena loja, por exemplo, pode começar a funcionar com 4 colaboradores. Esse número enxuto, inicialmente, não vai onerar a folha e permitirá que aumente de acordo com o sucesso do empreendimento.

Aproveitar a experiência dos seus colaboradores também pode ser proveitoso para você. Assim, contrate pessoas que tenham experiência no ramo, pois além de executar o trabalho com mais eficiência, elas poderão até trazer clientes — que elas eventualmente já tenham atendido em outros estabelecimentos — para sua nova loja. Contudo, todos os registros são necessários para não ficar devendo nada para a Justiça Trabalhista.

Pensar nos colaboradores como talentos em desenvolvimento e não como recursos humanos é uma prática moderna e que tem demonstrado resultado. Assim, cada ser humano que trabalhará para você contribuirá para o sucesso da empresa, ao mesmo tempo em que eles desenvolvem seus respectivos talentos e concretizam sonhos e ambições pessoais.

A concorrência

Ninguém chega com sucesso ao mercado da construção civil sem algum conhecimento prévio. Por isso, é importante fazer um levantamento sobre quais são os seus possíveis e reais concorrentes. Isso pode ser feito por meio de visitas ao local onde há de ser instalado o negócio ou mesmo em uma consulta à Junta Comercial.

Observar quais são os produtos que mais saem na concorrência dará a você uma experiência prévia do que deve receber maior atenção. Mas cuidado: nem sempre o produto que sai mais é o mais lucrativo. A não ser que, junto a um produto com alta saída, mas com baixa margem de lucro, você consiga vender outros produtos mais lucrativos. Geralmente os produtos que vendem mais são aqueles que estão na entrada e no centro da loja.

Faça uma experiência: seja cliente em alguns de seus concorrentes e observe seus pontos fracos e fortes. Logicamente, os pontos fracos devem ser observados e os fortes podem e devem ser copiados. Além disso, a experiência foi proveitosa? Você voltaria a comprar naquele estabelecimento? Como é a disposição dos produtos dele? Pense que o seu cliente pensará como você nesse momento. É uma questão de empatia colocar-se na posição de seu possível cliente. Aprenda com os erros e acertos de seus concorrentes.

Registro da loja nos órgãos oficiais

Para montar uma empresa hoje no Brasil, é necessário seguir um verdadeiro ritual. É uma série bastante longa de exigências. Seguem elas:

  • registrar sua empresa na Secretaria da Receita Federal para obtenção do CNPJ;

  • registrar na Junta Comercial para ver se pode funcionar no local que você pensou para montar a loja;

  • obter a inscrição estadual na Receita Estadual;

  • obter licença sanitária e alvará na Prefeitura;

  • registrar na Secretaria Estadual da Fazenda para recolhimento de impostos estaduais;

  • enquadrar a sua empresa no respectivo Sindicato Patronal;

  • fazer o cadastro na Caixa Econômica Federal para recolhimento do FGTS e do INSS dos seus colaboradores;

  • retirar autorização de funcionamento junto ao Corpo de Bombeiros.

Como organizar uma loja de material de construção?

A estrutura de uma loja de material de construção assemelha-se a dos supermercados. Dessa forma, ela se divide em departamentos, tais como:

  • departamento de vendas;

  • departamento de compras;

  • departamento financeiro;

  • departamento pessoal;

  • departamento de logística.

Todos os departamentos devem estar sob chefias que pensam a loja como um todo, não como espaços setorizados.

Todos devem estar comprometidos com o sucesso do empreendimento. Para isso, é preciso localizar bem os produtos dentro da loja. Tal localização pode ser feita por artigos. Dessa forma, haverá um espaço para portas e janelas, outro para pisos, materiais elétricos, materiais hidráulicos, ferramentas, materiais para banheiro, materiais para cozinha e áreas de serviço, ferragens e materiais de construções.

Sala de exposição

Para a sua sala de exposição, você deve ter à disposição do cliente:

  • prateleiras ou gôndolas onde os produtos ficarão expostos;

  • balcões de entrega, que também terão a função de vitrine;

  • um ambiente para instalação do caixa da empresa (é importante que fique próximo ao local onde estão os produtos para o cliente sentir-se cômodo);

  • pallets sobre os quais podem ser expostos cimento e outros materiais que não podem ter contato direto com o piso.

Escritório

Além da sala de exposição, você precisará montar o escritório. É onde as decisões da gerência são tomadas. Para esse ambiente, você precisará de:

  • armários de aço para arquivar documentos;

  • mesas para desktops e reuniões;

  • cadeiras confortáveis;

  • computadores;

  • impressoras rápidas;

  • Telefones fixos e celulares para contato entre os colaboradores e com os clientes a fim de conseguir o bom funcionamento da organização.

Depósito

Para o depósito você vai precisar de móveis duráveis e espaço que permita a ampla circulação de pessoas. Assim, deverá estar equipado com:

  • estantes ou prateleiras de aço;

  • pallets para armazenar materiais pesados;

  • gôndolas para armazenamento de materiais pequenos;

  • móveis com gavetas para armazenamento de miudezas;

  • área para execução da logística dos materiais, possibilitando entrada e saída de produtos da loja.

Produtos

Uma boa loja de material de construção deve ter uma gama bem ampla de produtos. Cada vez que um cliente entra na loja e não encontra o produto que procura, a chance dele voltar ao estabelecimento diminui. Por isso, mantenha um estoque variado. Os produtos básicos oferecidos por uma loja no ramo da construção são:

  • cimento, rejunte, pisos variados;

  • tomadas e interruptores, lâmpadas, fios diversos;

  • torneiras, duchas;

  • cal, areia, argamassa, tijolo;

  • tintas, pincéis, cantoneira, arame, parafusos;

  • areia e pedra;

  • tubos, conexões, telhas, madeiras, ferro;

  • bombas, caixas d’água;

  • ralos, grelhas e caixas.

Como gerir bem uma loja de material de construção?

Para gerir bem uma loja, deve-se montar uma equipe eficiente e coesa, com foco em oferecer ao cliente a melhor experiência de compra possível. Uma possível estruturação dessa equipe seria a seguinte:

  • o proprietário da empresa;

  • o gerente-geral (subordinado ao proprietário);

  • subgerente (subordinado ao gerente- geral)

São funções da gerência-geral:

  • planejar, organizar, dirigir e controlar as atividades da empresa;

  • nomear o pessoal da empresa, dando atribuições e responsabilidades;

  • formular e emitir políticas de funcionamento e desenvolvimento empresarial que regulem e permitam orientar e conduzir com maior segurança as atividades da empresa;

  • zelar pela adequada administração da empresa em relação a sua missão;

  • representar a empresa perante entidades e organismos nacionais, acerca de aspectos legais, financeiros e organizacionais.

São funções da subgerência:

  • planejar a compra de materiais de diversos fornecedores;

  • administrar as operações de venda;

  • supervisionar as atividades de venda;

  • revisar e controlar as cobranças aos clientes;

  • controlar chegada de mercadoria;

  • realizar o controle do almoxarifado;

  • fazer manejo de pessoal.

Logo após, viriam outras estruturas comandadas pelo gerente-geral. São elas:

O Departamento Pessoal, responsável por:

  • admissão e demissão de funcionários;

  • controle do arquivo com informações sobre os funcionários;

  • treinamento e desenvolvimento dos colaboradores;

  • acompanhamento da produtividade dentro da empresa.

O Setor Financeiro, responsável por:

  • planejar, organizar e controlar registros contábeis;

  • emissão de cheques para realização de pagamentos;

  • controle de entrada e saída de fundos;

  • autorizar ao departamento de vendas as faturas de cartões de crédito;

  • revisão de controle de cobranças aos clientes;

  • controle de questões bancárias.

O Setor de Compras, responsável por:

  • planejar e organizar a compra de artigos;

  • negociar com os fornecedores;

  • elaborar ordens de compra;

  • determinar a quantidade de artigos a serem comprados;

  • constatar a chegada na loja dos artigos pedidos;

  • revisar e comparar preços de produtos;

  • fazer pedidos e negociar com fornecedores;

  • dar baixa em produtos que vão para a loja.

O Setor de Vendas, responsável por:

  • realizar a fatura das vendas diárias;

  • atender aos clientes;

  • gerir reclamações;

  • manter e cuidar do interior da loja, verificando itens como limpeza, etiquetamento e apresentação de produtos;

  • pesar e medir materiais vendidos a granel;

O Setor de Logística responsável por:

  • transportar as mercadorias adquiridas pelos clientes;

  • carregar e descarregar os caminhões;

  • manter o estoque;

  • abastecer a loja e, principalmente, a sala de exposição;

  • fazer entregas na porta da loja.

Objetivos da gestão

A gestão deve ter como um dos principais objetivos oferecer uma ampla gama de produtos e serviços para a construção, oferecendo opções vantajosas de compras aos clientes. Desta maneira, deverá empenhar-se em entregar o maior número de produtos, a granel ou atacado, a custos competitivos e mediante uma atenção personalizada que permita avaliar a satisfação de cada cliente.

O gestor deve zelar, ainda, pelo respeito a todos os colaboradores da empresa. Deve agir com honestidade e transparência em cada transação, tanto dentro quanto fora da empresa. Além disso, deve agir com responsabilidade social, pontualidade e capacidade de trabalhar em equipe.

Algumas estratégias podem ser adotadas para conseguir atingir os objetivos da boa gestão de uma loja de material de construção. Deve haver capacitação permanente do pessoal, bem como atenção especial a todos os clientes. Também devem ser feitos estudos de qualidade para oferecer produtos com segurança e qualidade, de modo a satisfazer a necessidade dos clientes.

Uma boa gestão deve oferecer ao cliente o máximo de otimização dos produtos, a fim de que sua loja se torne uma referência para ele em todas as ocasiões. Assim, é interessante oferecer, além da entrega em domicílio, o serviço de instalação, bem como a garantia estendida aos produtos e novas facilidades de pagamento. Não se deve esquecer das famosas promoções.

Como escolher fornecedores para sua loja de material de construção?

No cenário de crise econômica em que vivemos, é importante manter um bom relacionamento com fornecedores de materiais de construção, a fim de que a sua disposição estejam os melhores produtos do mercado. São muitas as opções de fornecimento de mercadorias, mas que isso não seja empecilho para a escolha dos que melhor correspondem a suas expectativas.

Para isso, mantenha sempre atualizado o seu cadastro de fornecedores. Assim, você deverá fazer uma análise periódica com o intuito de selecionar aqueles que respondem mais prontamente aos pedidos, tanto em questão de tempo quanto no quesito qualidade dos produtos fornecidos. Isso o ajudará a tomar uma decisão acertada no fechamento de uma grande compra.

Algumas características podem ser observadas entre os bons fornecedores:

Garantia de qualidade

Os melhores fornecedores são aqueles que dispõem de processos conhecidos de qualidade (todos os selos de qualidade ISO: 9000, 9001, 14001, 18001). Claro que não precisam atender a todos, mas os mais completos nesse quesito devem ter prioridade.

Atendimento

Da mesma forma que você deve atender bem o seu cliente, deve escolher aquele fornecedor que o atende bem. O atendimento não deve ser bom apenas da parte do vendedor que o procura para fornecer os produtos, mas de toda a empresa, desde o vendedor até o entregador.

Análise de riscos

Os melhores fornecedores são aqueles que realizam uma análise da gestão de riscos para os seus clientes. Assim, são capazes de avaliar a probabilidade de ocorrência de riscos como:

  • descumprimento de contrato devido à inadimplência;

  • riscos em operações que envolvem descumprimento da legalidade e fraudes;

  • além, é claro, de riscos sociais e ambientais;

Conhecimento

É de fundamental importância que quem esteja fornecendo o produto para você seja a pessoa que conheça mais detalhes sobre ele. Isso demonstra capacidade de resolver possíveis problemas em transações comerciais de produtos não normatizados. Ele deve saber apresentar bem o produto, sem deixar dúvidas quanto a suas funções e possibilidades de mercado. Tais fornecedores oferecem também maior capacidade competitiva, pois conseguem negociar o preço dos produtos.

Corresponsabilidade

Fornecedores corresponsáveis são aqueles que têm plena consciência da sua parcela de responsabilidade em toda a cadeia produtiva. Eles devem atender às demandas de responsabilidade social, ambiental e econômica.

Cronograma

Por fim, uma das características mais valorizadas e esperadas em um fornecedor é que ele seja pontual. Desse modo, fornecedores que atrasam entregas ou não cumprem prazos estabelecidos devem ser evitados.

Outra questão a ser pensada é a qualidade do material comercializado. Muitas pessoas optam por vender materiais de baixa qualidade para conseguir colocar menores preços. Isso pode ser um gargalo que vai conduzir sua loja à ruína, uma vez que os clientes, mesmo satisfeitos com o preço baixo, não ficarão satisfeitos com o desempenho do produto e não voltarão a adquirir outros produtos em sua loja.

Perder clientes é um desastre por dois motivos:

  • haverá diminuição dos existentes;

  • os desistentes influenciarão possíveis novos clientes a não comprar em sua loja.

Nesse cenário,  entra o poder de negociação do Setor de Compras junto aos fornecedores para oferecer bons materiais a preços competitivos.

Para finalizar, é importante frisar que criar uma loja do zero e sustentá-la por muito tempo é uma tarefa árdua no Brasil. Aqui, a maioria das empresas fecham as portas nos primeiros anos. Por essa razão, é preciso muita força de vontade, planejamento e boas práticas de gestão. Somente assim sua loja de material de construção poderá vingar.

Com as informações prestadas neste guia, oferecemos ao futuro dono de loja de material de construção uma base mínima para entrar nesse competitivo mercado. São muitas possibilidades que podem ser exploradas. Algumas só serão conhecidas mesmo no dia a dia da prática empresarial.

Agora que você leu nosso guia completo sobre como gerir uma loja de material de construção, você já conhece uma série de ferramentas muito úteis para auxiliá-lo na condução do seu negócio. Gostaríamos muito de saber a sua opinião. Deixe seu comentário e compartilhe suas experiências com a gestão de sua loja.

 

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *